Eduardo

Schenberg

Neurocientista e empreendedor
Clique aqui e garanta sua vaga!
Sobre
As substâncias psicodélicas saíram da periferia. Agora estão no centro das atenções. New York Times, O Globo, Folha de São Paulo, Revista Piauí, Trip, livros best-sellers e séries no Netflix falam abertamente sobre o tema. Universidades de ponta no exterior conduzem cada vez mais estudos, e há congressos e simpósios acontecendo em ritmo acelerado. Por que tudo isso? Por que, após cerca de 50 anos esquecidas pela ciência e quase que completamente ausente dos estudos acadêmicos, estas substâncias agora voltam a atrair tanta atenção? Parte da resposta está no reconhecimento de seus admiráveis potenciais terapêuticos. Depressão, trauma, dependência química, ansiedade e outras neuroses vão sendo tratadas com considerável sucesso em diversos estudos com psicodélicos. Sucesso que se sustenta especialmente em pacientes que não melhoraram com diversos outros tratamentos.
Desde o final de 2014 estou trabalhando para que este campo avance também no Brasil, e completamos este ano o primeiro estudo terapêutico utilizando o MDMA (mais conhecido por aí como “ecstasy”). Neste curso você terá acesso exclusivo e em primeira mão a cinco webinários inéditos. Ao vivo, com interatividade e espaço pra perguntas após cada aula!
O Curso
O curso é introdutório e não visa formar terapeutas ou pesquisadores para sair usando psicodélicos com pacientes por aí. Seria falta de humildade pensar que um tema tão delicado e complexo se completaria em poucos encontros e apenas pela internet. Mas você verá um panorama inédito sobre a área, de forma simples e acessível, formatado para que você entenda os princípios fundamentais dessa forma de cuidado, que tem raízes ancestrais, mas que está sendo reinventada e atualizada para os tempos modernos e povos urbanos.
Não há pré-requisitos acadêmicos para acompanhar o curso. Tenho ampla experiência em diálogo com públicos diversos, do geral ao técnico-científico. Curiosos em geral são bem vindos, mas se você achar que precisa ou quer algo um pouco mais introdutório, faça já o “Que Droga é Essa?”, curso também online onde explico, em aulas gravadas na Perestroika em 2018, o básico do mundo das drogas, desde o molecular até o social.
E se você for da área de saúde mental, como enfermeiras, psicólogos, médicas e psiquiatras, este curso pode ser seu primeiro passo num vindouro programa de formação de terapeutas e pesquisadores no Brasil, que terá a necessária profundidade e duração para formar profissionais que atuarão nestas pesquisas utilizando psicodélicos com pacientes diversos. Então garanta sua vaga que o futuro está chegando!
BIO
Após mais de década atuando nas melhores universidades do Brasil e do exterior e estudando com uma das maiores lideranças do campo psicodélico mundial, Stanislav Grof, comecei a empreender para ajudar a desenvolver e tornar acessíveis os tratamentos com psicodélicos. Conduzi o primeiro estudo Brasileiro sobre o potencial da ibogaína no tratamento da dependência química, a primeira pesquisa com uso do MDMA no tratamento de casos graves de abuso sexual realizada inteiramente no Brasil, que será publicada este ano, além de estudos de neuroimagem com ayahuasca e LSD, feitos no Brasil e em Londres.
Conteúdo
5 aulas de 45 min, com 15 de perguntas:

1) Do xamã ao divã: as variedades de medicina psicodélica. (17/02 as 20h)

O uso das chamadas plantas de poder ou plantas dos deuses vem de tempos imemoriais. Sibéria, Amazônia e Gabão são alguns dos lugares distantes e distintos nos quais rituais de cura se formaram e duraram séculos, se não milênios, seguindo ativos ainda hoje. No século 20 a humanidade viu novas formas de uso surgirem, com a chegada das substâncias sintéticas e da terminologia “psicodélico”. Estas substâncias adentraram clínicas e consultórios médicos ocidentais, urbanos e modernos. Nesta primeira aula vamos sobrevoar o mapa mundi da medicina psicodélica e considerar as principais diferenças e semelhanças entre os vários usos destas formas de cura e os principais conceitos atrelados a elas.

2) Safe trips: capacete, cinto de segurança e paraquedas para viagens seguras. (24/02 as 20h)

Não há vôo de avião sem instruções de segurança, nem remédio sem bula. Psicodélicos também tem riscos, e conhecê-los é fundamental para a obtenção de bons resultados clínicos, garantindo segurança aos pacientes e participantes. Nesta aula veremos as ações dos psicodélicos no corpo humano com foco na segurança. Veremos também a questão do contexto (set and setting) e quais as práticas consideradas de excelência hoje, especialmente no campo científico e de pesquisas clínicas.

3) As chaves da percepção. (10/03 as 20h)

Nesta aula veremos quais são as principais substâncias psicodélicas, como atuam no cérebro, quais as principais características dos estados não ordinários de consciência que induzem e qual a relação disso tudo com os efeitos terapêuticos observados. Seria possível prever que tipos de pacientes seriam melhores candidatos à terapia psicodélica?

4) Música: o terapeuta invisível. (17/03 as 20h)

Desde os tempos imemoriais até os consultórios modernos, a música é um fator essencial nas experiências psicodélicas. Nesta aula falaremos sobre os tipos de música utilizados, aqueles que devem ser evitados e como música e psicoterapia interagem de forma dinâmica ao longo de sessões que duram várias horas. Daremos atenção também à importância do silêncio nestes processos. E, de brinde, os alunos ganharão uma lista de músicas propícias a experiências psicodélicas.

5) Psicoterapia assistida: integralizando o modelo terapêutico. (24/03 as 20h)

Nesta ultima aula faremos uma revisão do processo terapêutico com psicodélicos em ambientes modernos, realizado por profissionais de saúde mental, a Psicoterapia-Assistida com Psicodélicos (PAP). Veremos quais as substâncias que devem chegar primeiro à população, para quais transtornos e como melhor trabalhar nesta área e se preparar para atuar neste campo no século 21.

Preencha o formulário de inscrição

Eduardo Schenberg @ 2017 - todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Thiago Saccól.